domingo, 18 de maio de 2008

PONTOS RISCADOS

O valor mágico de um ponto riscado é muito grande na Umbanda. Para o leigo, o ponto riscado é apenas uma identificação de uma determinada entidade. Já, para o umbandista, o ponto riscado tem outro significado que não só a identificação da entidade. Para ele, o ponto riscado é um instrumento de trabalho para os trabalhos mágicos efetuados pelas entidades.
Acerca do assunto, W. W. da Matta e Silva, em seu livro "Lições de Umbanda", nos diz o seguinte:
"Existem duas formas de aplicação dos sinais riscados nos terreiros:
A primeira é comum e vamos defini-la como exterior, ou exotérica: se prende a farrapos de certos conhecimentos, oriundos da Cabala, sobre os sinais ou símbolos, tais como triângulos, círculos, cruzes, pentágonos, estrela dos magos, etc., que misturam e riscam, às vezes de mistura com os sinais deturpados dos signos e planetas.
Há mais os que inventaram, e que riscam, simbolizando a lua, o sol, linhas em curvas e as famosas setas ou flechas, iguaizinhas a essas que indicam o tráfego dos veículos... essas mesmas de formato "standard", generalizadas para todas as linhas, para todas as entidades.
Com tudo isso, fazem uma salada, uma mistura e formam os pontos dos Caboclos, dos Pretos-Velhos, das Crianças, etc. Tudo isso é bem humano, é bem compreensível. A cada um, segundo as suas luzes... A quem mais tem, ainda lhes será acrescentado e a quem nada tem, ainda lhe será tirado... assim está, mais ou menos, nos Evangelhos do Cristo.
A segunda forma, que vamos definir como interna ou esotérica, é de uso exclusivo das entidades astrais, os verdadeiros Caboclos, Pretos-Velhos, etc. Só eles são quem riscam e manipulam estes pontos, quando tem a felicidade de o fazer, através de um médium de contatos positivos ou reais.
Esta forma é ensinada, excepcionalmente, a alguns filhos de fé, destes raros aparelhos cônscios de suas responsabilidades ou missões."
Os pontos cabalísticos riscados com Pemba de calcário representam uma grafia de projeção bidimensional de símbolos que se revestem de todo poder mágico, que as forças cósmicas lhe oferecem. Muitos tentaram, mas não conseguiram mostrar os fundamentos ocultos da lei de Pemba, ou dos pontos riscados. É por isso que não se pode copiar e nem interpretar tais pontos.
Só a Umbanda sagrada pode fazê-lo justamente por ser escritas por Guias, que evocam os sagrados Orixás e sabem o significado do que fazem.
Para o Umbandista, o ponto riscado é um instrumento para os trabalhos magísticos efetuados para entidades, afinal de contas ele possui um grande significado e valor mágico.
Na verdade é o selo, o cartão de visitas, a identificação, o brasão e bandeira da entidade. É uma espécie de campo de força onde o instrumento utilizado pela entidade em seu efetivo campo de trabalho é a Pemba. E esta maneja as forças de sorte a lhe conferir afinidade com a entidade, identificado a quem ela se subordina, nem como os seus domínios ao ser usado para riscar o ponto.
Pode-se afirmar que a Pemba e um instrumento sagrado da Umbanda, pois nada pode se fazer com segurança sem os pontos riscados. A Pemba e confeccionada em calcário e modulado em formato ovóide alongado, e serve para, ao riscar, estabelecer ritualisticamente o contato vibratório com as energias cósmicas.
O escritor Oscar Ribas nos diz que o termo pemba é de origem quimbundo. "Pemba, termo quimbundo; de kubembula: apartar. Alusão à destruição de qualquer malefício. Possui largo emprego na Umbanda, servindo para caracterizações que, obrigatoriamente, se executam nos lugares concernentes à liturgia, a fim de se abrirem os caminhos, ou seja, atrai a graça dos espíritos".
Os pontos riscados são verdadeiros códigos registrados e sediados ao mundo espiritual, eles identificam poderes, tipos de atividades, e os vínculos iniciáticos da falange. Quando são traçados sem conhecimentos de causas, não projetam sua grafia luminosa e não passam de rabiscos inócuos. Como podemos ver, os pontos riscados é magia, então para se utilizar deles é necessário o devidos conhecimentos.
Riscar um ponto de traz para frente é inverter ou perverter a força da magia. Então não basta ver um ponto no livro para riscá-lo sem o devido conhecimento. O mau uso do ponto riscado pode levar à conseqüências imprevisíveis, comparáveis às de um leigo em assuntos de eletricidade, entrando numa casa de forças e pondo-se a manejar as chaves ou embaralhar os fios, com o que acabara de provocar curtos circuitos, incêndios e eletrocussões em si e nos outros.
Um ponto riscado pode ser usado, dependendo do trabalho ou cerimônia a ser realizada, utilizando Pemba, marafo (pinga), fundanga (pólvora) azeite, com o ponteiro na areia ou até mesmo mentalmente, o que requer muita prática. É importante lembrar que só se utiliza a pólvora ou pinga com autorização superior.
Quanto ao uso da Pemba, estudo o sentido e o valor das cores, só se utiliza a Pemba preta aquele que foi autorizado para tal. No Umbanda o mais usual é o trabalho com a Pemba branca, azul, verde e amarela, também é usual a cor derivada do vermelho.
Todo ponto riscado é magia, com todo significado da sua grafia e ondas vibratórias. Por exemplo, a suástica como símbolo sagrado, cujas utilizações dadas há tempos imemoriais, símbolo este utilizado mesmo pelos Papas da religião católica, teve suas ondas invertidas pelo pseudo-arianos e como símbolo, acobertou e direcionou a Segunda Guerra Mundial.

Outro símbolo também muito conhecido e adotado como símbolo de alta magia é a conhecida estrela de Davi, ou a estrela de seis pontas, que hoje sabe-se através do conhecimento revelado aos Umbandistas, tratar-se da estrela do equilíbrio, ou seja, estrela do trono da justiça de Deus, que o nosso é divino pai Xangô-yê.
É interessante também observar que, quando um filho de Umbanda se apresenta perturbado dentro de um templo, muitas vezes notamos o Babalorixá cruzar seu corpo com Pemba. Isto representa a escrita divida, através da magia para chamar a razão à entidade obsessora, a fim de que ela possa conhecer através deste traçado cabalístico, o seu erro e abandonar este filho que até então obsidiava.
O irmão umbandista pratica a magia com sabedoria, pois ao utilizar a magia contra alguém, muitas criaturas poderão ter suas vidas prejudicadas, pois mesmo sem atingir o alvo, a lei do retorno é inevitável.
Costuma-se dizer que não pode existir um terreiro de Umbanda, sem o testemunho da pemba.

Alguns elementos que compõem um ponto riscado

Um Ponto – o Ser Supremo, a origem.
Uma Linha Reta – o Mundo Material.
Duas Linhas Retas – o Princípio, o Masculino e o Feminino.
Uma Linha Curva – a Polaridade.
Dois Traços Curvos – as duas polaridades – positiva e negativa.
Um Triângulo de Lados Iguais - a Força Divina – Pai, Filho e Espírito Santo – Santíssima Trindade.
Dois Triângulos (Hexagrama) – Estrela de seis pontas – todas as Forças do Espaço.
Um Quadrado – os 4 elementos (Água, Terra, Fogo e Ar).
Um Pentagrama – a Estrela de Davi e o Signo de Salomão – a Linha do Oriente, Oxalá, a Luz de Deus. Três estrelas também representam os Velhos e Almas.
Círculo – o Universo, a Perfeição.
Um Círculo com Dois Diâmetros Entre Si – o Plano Divino, o Quaternário Espiritual.
Círculos Menores e Semicírculos – as fases da lua (símbolo de Yemanjá), forças de luz, inclui Iansã.
Círculo com Estrias Externas – o sol (símbolo de Oxalá).
Espiral – para fora indica chamamento de força, retirando demanda.
Seta Reta ou Curva e Bodoque – irradiação de Oxóssi (caboclo).
Balança, Machado ou Nuvem – símbolos de Xangô e do Oriente.
Raio (condições atmosféricas) – símbolo de Iansã.
Espada Curva – símbolo de Ogum.
Espada Reta – símbolo de Iansã.
Bandeira Branca com Cruz Grega Vermelha – símbolo de Ogum.
Flor ou Coração – símbolos de Oxum.
Coração com uma Cruz no Interior – símbolo de Nanã.
Traços Pequenos na Vertical (chuva) – símbolo de Nanã.
Folhas ou Plantas – símbolos de Ossaim.
Tridentes – símbolos para Exú e Pomba-Gira; garfos curvos para a Calunga e retos para a Rua. (Pode haver ou não caveira)
Cruz Latina Branca – Cruz de Oxalá.
Cruz Grega Negra – com pedestal, símbolo de Omulú.
Arco-íris – símbolo de Oxumaré.
Estrela Branca (Oriente) – Luz dos espíritos.
Estrela Guia (com cauda) – símbolo da capacidade de acompanhamento (Oriente).
Um Oito Deitado (Lemniscata) – símbolo do Infinito.
Cordão com Nó ou um Pano – símbolo das crianças.
Conchas do Mar – símbolo das crianças.
Águas Embaixo do Ponto – símbolo de Yemanjá (mar).
Pequenos Traços de água – símbolo de Oxum.
Traço ou Linha Curva com Círculo nas Pontas – símbolo de força, amarração e descarregos.
Rosa dos Ventos – chamamento de força ou descarrego.
Traço com Três Semicírculos nas Pontas – descarrego e força também.
Palmeiras ou Coqueiros – força dos Velhos.



Definição
O ponto riscado é uma “ordem” escrita a uma série de entidades. Quando um médium risca um ponto irradiado por uma entidade, está mobilizando a falange que com ela trabalha, ou outra, direcionando a energia mobilizada para o objetivo desejado, dependendo do merecimento do consulente e da ética do médium.
Os pontos riscados obedecem à vibração original ou flecha, da qual falaremos a seguir. Tudo começa com 1 simples ponto (1 ponto sozinho nada produz em termos de magia, mas vários pontos geram uma linha e várias linhas fazem um ponto riscado).
Todavia é importante saber que o ponto riscado não produz nenhum tipo de magia se não for impulsionado pelo pque podem simplesmente riscar o ponto e que as entidades vão fazer tudo por ele.
Vemos em muitos centros de umbanda médiuns riscando pontos que de fato nada têm a ver com os princípios dos pontos riscados. É possível que em alguns casos a espiritualidade considerando o merecimento do consulente e o desconhecimento bem intencionado do médium, além de seu real desejo de manipular forças amorosas para aquele consulente, promova o necessário para o auxílio. Não se engane todavia o médium achando que está promovendo magia com pontos sem os elementos básicos dos quais eles se compõem.
Os sinais aqui apresentados são os chamados sinais positivos, que propiciam apenas magia branca, digamos assim. De forma que não adianta a ninguém tentar fazer outro tipo de magia usando estes sinais. Os sinais negativos, os chamados ocultos, não podem ser revelados.



Entendimento inicial do ponto ( • )


(ponto)

• .
Deus...........................Natureza
Ativo..........................Passiva
Ser............................Reflexo
Energia absoluta ..............A divisão
Unidade .......................Reflexo da Unidade


Elementos básicos de identificação dos pontos riscados

(Oriundos dos desenvolvimentos das linhas, eles são três)

- Flecha: identifica a vibração - forma da entidade.
- Raiz: identifica a origem (a linha, uma das sete, a que pertence a entidade).
- Chave: identifica o elemento que a entidade manipula.
Sinais positivos que identificam cada ponto (são 7)
(os negativos são ocultos)

1 - Flecha ou vibração forma (identifica a forma como a entidade se apresenta):

A Flecha, que é baseada na linha, que por sua vez é formada de pontos, representa o equilíbrio e a dualidade sendo, portanto, a vibração original ou reflexo da escrita divina. Sempre orientada para o alto, para o céu, em louvor e respeito às divindades que a ensinaram aos homens. No movimento da síntese da umbanda existem três manifestações formas:
- caboclo
- preto velho
- - criança



2 - Raiz ou linha (uma das 7) na qual a entidade trabalha:


- Oxalá

- Ogum

- Oxossi

- Xango

- Yemanjá

- Yori

- Yorimá


3 - Chave (identifica o grau hierárquico da entidade):


- Guia

- Protetor
Obs. E também se é chefe de legião, chefe de falange ou de sub falange.

4 - Planeta regente (planetas sagrados) e signo zodiacal:


- Sol

- Lua

- Marte

- Vênus

- Júpiter

- Saturno

- Mercúrio


5 - Cor fluídica


6 - Elemento que manipula, tattwa*, corrente cósmica e metal correspondente.

* Falaremos mais disso em momento oportuno.

7 - Entidades que comanda:

- Naturais
- Artificiais
Sinais grafados

1. Flecha ou vibração – forma da entidade:

Caboclo Preto Velho Criança

2. Raiz ou linha da entidade: (o sinal grafado na flecha)

. .
.
Oxalá Ogum Oxossi Xangô Yemanjá Yori Yorimá

3. (Chave) Grau hierárquico:

1°-Guias 2°-Protetores
Obs. Ambos grafam o sinal do lado esquerdo da flecha

3°-Chefe de legião: grafa acima da flecha o sinal de sua vibração original. Na alta magia esse sinal tem grande poder e comanda um número infindável de entidades.

Oxalá Imanência de Deus
Ogum Fogo da salvação
Oxossi Ação envolvente
Xangô Equilíbrio
Yemanjá Eterno feminino da natureza
Yori . Relação com a Lei
Yorimá A Lei em ação

4° - Chefes de falange e sub falange: grafam o mesmo sinal abaixo da flecha.
Exemplo até aqui:
Entidade da linha de Xangô.
Plano de guia.
No grau de chefe de legião.

4. Planetas e signos zodiacais:

Planetas sagrados Signos zodiacais Orixás

Sol Leão - Oxalá (21\07a20\08)
Júpiter Peixes - ��Sagitário - Xango (21\02a20\03 e 21\11a20\12)
Marte Áries - ��Escorpião - m Ogum (21\03a20\04 e 21\10a20\11)
Vênus Libra - ��Touro - ��Oxossi (21\04a20\05 e 21\09a20\10)
Mercúrio Gêmeos - ��Virgem - m Yori (21\05a20\06 e 21\08a20\09)
Lua Câncer - Yemanjá (21\06a20\07)
Saturno Capricórnio - Aquário - ��Yorimá (21\01a20\02 e 21\12a20\01)

Exemplo até aqui:
. .
.
Caboclo da linha de Oxalá
Plano de guia
No Grau de chefe de Legião
Planeta Sol
Signo leão

5. Cor Fluídica:

O triangulo da forma fluídico plasmado no astral pelos orixás é violeta (que é cor da umbanda*) e tem as seguintes representações para as diversas linhas:

Caboclos: Azul (Oxossi)
Amarelo (Yemanjá) Obs- As cores de Ogum (vermelho) e Xangô (verde) não estão
Branco (Oxalá) representadas no triangulo da forma (ver explicações anteriores)
Pretos velhos: Anil (Yorimá)
Crianças: Alaranjado (Yori)

Obs: As cores são conseqüência dos sons. São vibrações.
Obs: A cor da umbanda esotérica é a do 7°raio, o da Magia (dirigido pelo C. Saint Germain, para se contrapor à magia negra, através de seu mediador que é o arcanjo Ariel).

Obs. A grafia das cores é dada apenas pela cor da pemba usada para riscar o ponto.
* A cor da umbanda está mudando. Falaremos disso em capítulo posterior.

6. Elementos que manipula:
Podem ser grafados de duas maneiras. As formas mais comuns estão marcadas com um *.
*
* * *
Ar Água Terra Fogo ou os 4 elementos *
(Sinais dos elementos básicos da natureza)
Considerações teosóficas* sobre os 4 elementos

A inscrição na cruz de Cristo – INRI – na verdade não significa “Jesus Nazareno
Rei dos Judeus”,e sim, o seguinte:

I: Iammin (água)
N: Nour (fogo)
R:Ruach (ar)
I: Iabashad (terra)


7. Entidades que comanda:

Estes sinais que são grafados abaixo da flecha, à esquerda.

7. - Chave das entidades naturais.

- Chave das entidades elementares (egrégoras, artificiais).
Outros sinais grafados
(mais raramente, pois são somente para entidades de alta hierarquia)

- Chave de abertura da alta magia (acima da flecha à direita)

- Sinal da magia branca (acima da flecha à esquerda). Grafado junto com o
sinal dos 4 elementos.

- Triangulo da força cósmica (acima da flecha à direita). Atua modificando
correntes cósmicas, produzindo modificações na matéria.
Ex. abertura para limpeza

- Sinal do Pi* (3,1416). Grafado bem em cima da flecha.
Grafado pelos orixás menores.
Entidade trabalha com todas as leis da umbanda.
Quando encarnado era mago da luz divina.

- Mago branco (grafado à direita da flecha).
Pode vir com um ou mais sinais de + , o que significa
ser um Caçador de Feiticeiros.

Exemplo:
+ +
+

Observações

O médium precisa controlar seu desejo de colocar no ponto todos os sinais ou desejar que “sua” entidade tenha uma alta hierarquia, pois isso nada significa no plano espiritual.
O que importa é o trabalho na caridade, independente de tudo o mais. Naturalmente é preciso também compreender que não há como uma entidade de alta hierarquia se manifestar por um médium que não tenha na vida um comportamento condizente com a ascendência moral da mesma (semelhantes se atraem, diz o ditado).
Que ninguém espere ser na vida uma pessoa raivosa, rancorosa ou ranzinza, ou quem sabe melindrosa, insatisfeita ou vaidosa, ou ainda egoísta, gananciosa ou arrogante, não tolerar ser contrariado, beber ou fumar, ser de fácil irritabilidade ou ainda ter uma vida sexual desregrada ou “casos” fora do casamento e ainda assim achar que vai receberuma entidade de grande luz, porque não vai mesmo.
Podemos até riscar pontos que impressionem as pessoas, mas não podemos enganar o plano espiritual e desta forma nenhuma magia será mobilizada por ele, na medida que toda magia é mental (o ponto é um instrumento de concentração do médium).
Mostramos abaixo o ponto riscado do Caboclo Tabajara (conheça sua história no livro Terra dos Ay-Mhorés – a ser lançado em 2007 – uma continuação da Terra das Araras Vermelhas), entidade que se manifesta na FGC. Foi o sumo sacerdote nas terras altas.
É preciso lembrar que existe apenas um caboclo Tabajara com estas características. Como já falamos em outro capítulo deste curso, a entidade que se manifesta num determinado centro não é a mesma que se manifesta em outro. Isto quer dizer que muitas entidades podem até se apresentar com esse nome, o que não significa ser a mesma.


Explicações adicionais
Como pode ser observado as entidades podem ser “cruzadas” com outras linhas.

Um caboclo de Oxalá cruzado com Oxóssi
Observar que ao longo da Flecha ele grafa tanto a Raiz de Oxalá (a linha original) quanto a de Oxossi (linha com a qual é cruzado).
Ser cruzado significa que trabalha nas duas vibrações.
Naturalmente uma entidade dessa hierarquia pode trabalhar em qualquer linha, mas originalmente trabalha nas duas.
Ele poderá também grafar as duas Flechas com as duas Raízes, uma cruzando sobre a outra.


De fato todo ponto identifica uma determinada entidade. Qualquer pessoa que domine seu entendimento poderia dizer qual entidade está realmente manifestada.

Outras informações
As entidades podem ainda ser “ligadas” com outras linhas. Estar “ligado” com outra linha significa que a entidade trabalha, eventualmente, junto com a outra linha, dependendo da necessidade do trabalho.

A Flecha da linha não original à qual a entidade está ligada. É grafada ao lado da original, em tamanho menor.

* Nunca é demais lembrar que cada médium recebe duas, no máximo três entidades (as demais geralmente são corpos de ilusão das demais).
Isto no caso da entidade atuar no nível de Guia (Protetores apresentam apenas um corpo de ilusão).
O Caboclo das 7 Encruzilhadas, por exemplo, o fundador da umbanda, manifestado exclusivamente no médium Roger Feraudy durante muitos anos (ver detalhes na 2a. aula – História da umbanda), apresentava-se com vários corpos de ilusão, como Caboclo Anhangá (na vibração de Xangô), por exemplo, ou ainda como Simeon, o mago, entre outros, dependendo da necessidade da tarefa a ser realizada.


Vemos em muitos centros de umbanda médiuns riscando pontos que de fato nada têm a ver com os princípios dos pontos riscados. É possível que em alguns casos a espiritualidade considerando o merecimento do consulente e o desconhecimento bem intencionado do médium, além de seu real desejo de manipular forças amorosas para aquele consulente, promova o necessário para o auxílio. Não se engane todavia o médium achando que está promovendo magia com pontos sem os elementos básicos dos quais eles se compõem.

Os sinais aqui apresentados são os chamados sinais positivos, que propiciam apenas magia branca, digamos assim. De forma que não adianta a ninguém tentar fazer outro tipo de magia usando estes sinais. Os sinais negativos, os chamados ocultos, não podem ser revelados.

Nenhum comentário: