sexta-feira, 30 de outubro de 2009

A ÉTICA NA MEDIUNIDADE

O médium como elo de ligação entre o visível e o invisível,deve se preocupar em mater. a serenidade mental no seu dia a dia para que pensamentos difusos são sejam cultivados porque promovem uma sintonia com entidades espirituais de baixa estirpe moral.

E o médium que com sua abundante energia é alvo dos mais atrozes ataques provenientes do baixo astral desencarnado e encarnado, há de manter um nível de pensamentos salutares procurando seleciona-los em companhia de pessoas de boa índole ( dizes-me com quem andas, que eu te direi quem és ! ), para que sua corrente mental o proteja das ações do baixo astral, para que sua boca pronuncie palavras limpas, e para seus ouvidos ouçam palavras harmoniosas porque é de nossa boca que emana aquilo do que nosso coração está cheio, e é também pela boca que ingerimos os alimentos, e esses alimentos também devem ser selecionados para que a harmonia impere em nosso organismo como um todo, portanto, a abstenção de carne vermelha pelos médiuns umbandistas têm que ser controlada porque somos alvos de ataques constantes e necessitamos de um sustentáculo material mais rebuscado porém, a carne de porco por questões óbvias pode ser suprimida de nossa alimentação com racionalidade.

A alimentação ainda constitue um fator decisivo na atuação mediúnica porque quando ingerimos carne, quando comemos em excesso ou ingerimos álcool, o nosso organismo sofre alterações químicas que além de estimularem o animismo vicioso através da ligação instintiva intensa, ainda promove um eliminação via hálito esuor, que pode prejudicar os consulentes em uma consulta mediúnica.

Por todos esses fatores é que ao menos no dia da sessão de caridade, devemos nos abster de carne, de álcool, e até adiminuição do fumo, por parte de quem cultiva esse infeliz hábito, é aconselhável porque o fumo carreia toxinas que dificultam a fluência energética no nosso organismo, bem como obscurecem nossa sensibilidade às vibrações superiores emanadas por nosso mentor espiritual.

Muitos devem estar fazendo a observação de que as entidades espirituais que trabalham em rituais como a Umbanda no Brasil, utilizam o fumo e o álcool em seus trabalhos porém, ressaltamos que elas utilizam esses elementos justamente como amortecedores de cargas oriundas de baixas vibrações e que quando desincorporam, minimizam a atuação negativa dessas substâncias no corpo físico do médium e isso explica o motivo de muitos médiuns que atuam freqüentemente em ambientes hostis com trabalhos pesados, ingerirem aguardente (marafo)em quantidade e depois que desincorporam não apresentarem efeitos desse elemento, isso quando incorporam de verdade...

O médium no dia que vai atuar mediunicamente ainda deve se abster de sexo para preservar sua vibração original, o que será positivo no contato mediúnico pois, o sexo une dois seresa níveis mais sutis do que o físico...

Outro ponto importante é o fato de que no período pré-menstrual e na menopausa, o organismo feminino liberar uma toxina ( menotoxina ) e provocar alterações psíquicas decorrentes da t.p.m. ( tensão pré-menstrual ) , portanto, a mulher é praticamente regida pelo ciclo menstrual, que comoo ciclo lunar é de 28 dias.

O fato da mulher ter ciclos negativos como a lua ( cheia eminguante ) é de conhecimento de culturas antigas pois, em tribos indígenas a mulher fica isolada no período menstrual,longe de seus afazeres habituais, e no próprio antigo testamento da Bíblia está escrito:“
Quando uma mulher tiver um fluxo de sangue e que seja fluxo de sangue do seu corpo, permanecerá durante sete dias na impureza de suas regras.

( Levítico 15,19 ) ““ Não te aproximarás de uma mulher, para descobrir a sua nudez, durante a sua impureza das regras. ( Levítico 20,18 ).

“E é justamente por essa inconstância vibratória, que a mulher não pode exercer a função de comando em escolas de iniciação.
No entanto, a similaridade psicológica em nossa sociedade não dá espaços para atitudes radicais e preconceituosas, a ponto de hoje entendermos que homem e mulher são igualmente filhos de Deus e cada um em seu caminho pode alcançar sua realização pessoal e transcendental em harmonia com seu par .

Não queremos ser normalistas ou falso-moralistas,queremos expor os fatos à luz da razão com explicações lógicas e plausíveis, para que o médium não venha a prejudicar a si e aos outros.

do livro: Filosofia oculta nas religiões
Eduardo Parra

6 comentários:

Ana Lais disse...

fiz o meu comentário em várias partes, pois o blog rejeita comentários longos.
Embora eu goste e concorde com boa parte dos textos desse blog, achei uma opinião absurda do autor desse texto de nome Eduardo Parra, que é escritor.
Eu estudei todas as obras Espíritas codificadas por Kardec, onde os Espíritos superiores responderam a maioria das respostas cotidianas pertencentes a humanidade terrena.
Principalmente na obra O Livro dos Médiuns que repito, não é uma criação de nenhum autor encarnado, mas sim é um verdadeiro tratado de mediundidade.
Os bons Espíritos fazem questão de principalmente frizarem que o que é o fundamental é a moral do médium que o conduzirá. O orgulho, o preconceito, as idéias pré concebidas como as que eu vi no autor deste texto e obra, jamais podem ser levados a sério, principalmente porque são idéias da sua própria cabeça, pois se estudarmos calmamente essa obra, perceberemos que não existe nada disso de ciclo menstrual negativo, de lua que interfere na fase da mulher, isso na verdade é mais uma criação humana. É lógico que a moral que continuará guiando a todos homens e mulheres e se de fato a mulher fosse atacada por toda essa negatividade que o autor menciona, é claro que os Espíritos Superiores fariam questão de mencionarem isso no livro, alertando a todos. A preocupação máxima dos bons Espíritos é sempre alertarem sobre a moral do médim que sempre deve ser mantida e este se possível deve sempre se desapegar dos seus preconceitos, orgulho, vaidade, etc, com o intuito dos bons Espíritos poderem com mais facilidade combinarem os fluídos ou energias, espirituais com as energias animais do médim, que muitas vezes já chega a reunião mediúnica desestruturado mentalmente.
Isso não quer dizer que não aconteça com o homem, pois muitas vezes esse já brigou em casa com a esposa, no trânsito, ou até fez tudo isso achando que só pelo fato de trabalhar como médium, já esta fazendo a sua parte, então quando chegar no centro Espírita já estará tudo ótimo, pois ele já faz a sua parte positiva.

Ana Lais disse...

parte 2.
É isso que o Livro dos Médiuns nos ensina, explicando que não é porque o médium trabalha ao lados dos bons Espíritos que já esta fazendo a sua parte, pois caso ele continue sem a reforma íntima, ele será apenas mais um médium, usando apenas o rótulo de trabalhador do bem, pois a vivência que é o principal e o mais difícil de ser seguido, esta sendo sempre deixado de lado.
O autor desse texto e obra de umbanda, deveria antes de emitir qualquer opinião pessoal sua, estudar e analisar calmamente todas as obras ditadas pelos Bons Espíritos, pertencentes a codificação de Allan Kardec, pois eu percebo que ele esta totalmente orgulhoso, arrogante, desfazendo do papel da mulher, disfarçadamente, dizendo que apesar de tudo não podemos ter preconceito, basta não permitirmos pelo bom senso que a mulher dirija qualquer trabalho mediúnico, pela sua instabilidade emocional.
Isso é também mais uma idéia preconceituosa e fruto da sua própria imaginação, pois não são todas as mulheres que se desestruturam emocionalmente no seu ciclo.
Aprendemos em todas as Obras ditadas pelos Espíritos Superiores que quem comanda tudo é o nosso próprio Espírito, alma ou mente.
A parte hormonal é comandada pela nossa mente ou alma e não o contrário como afirma o autor Eduardo Parra. Quando alguma mulher já estiver desestruturada emocionalmente por alguma coisa, pode ficar ainda mais frágil durante o seu ciclo, porém isso é uma continuidade do que já não estava bom na mente daquela mulher.
Agora generalizar todas, dizendo que todas ficam fracas emocionalmente é um absurdo da sua curta visão de homem machista que acaba enxergando através do seu orgulho, vaidade e preconceito. Uma pessoa como ele se for médium e continuar por muito tempo assim, pode atrapalhar totalmente a reunião mediúnica, devido o seu padrão preconceituoso, atrapalhando a limpeza de ambiente e a sua própria limpeza, será que é porque ele também esta naqueles dias? Será que sua mente preconceituosa, ou melhor, será que se ele fosse mulher e se desestabilizasse ainda mais, quando estivesse no ciclo menstrual, será que esta seria a causa ou a origem do problema ou a sua própria mente preconceituosa, fraca e frágil que se enfraqueceu ainda mais durante o ciclo?

Ana Lais disse...

parte3.
É por esse motivo que aprendemos no Livro dos Médiuns tudo sobre a moral dos médiuns e que a parte orgânica, jamais pode passar por cima da parte mental ou espiritual de cada um e somente a sua moral positiva, procurando cada vez mais se despir das más qualidades, que poderá guiar a cada um de nós homens ou mulheres igualmente. Como quem prepara todo o ambiente são os bons Espíritos, caso eles percebam que por algum motivo algum médium, masculino o u feminino não esteja muito bem mentalmente, eles simplesmente vão dar acréscimos magnéticos mentais para estes, com o intuito deles poderem em primeiro lugar estarem bem equilibrados, para só depois poderem ajudar os que ali comparecem em busca de auxílio e ajuda.
Por isso que os Bons Espíritos deixaram essas obras codificadas por Allan Kardec, para nos guiar em qualquer dúvida.
Logo que começamos a estuda-las aprendemos que o corpo é sempre reflexo da nossa alma ou mente, sendo sempre dirigido por esta.
Outra coisa absurda que o autor Eduardo Parra cita nesse texto é que na própria bíblia fala do ciclo da mulher que é negativo e que os próprios índios isolam a mulher quando elas estão no ciclo, devido saberem que é um estado negativo destas.
Que absurdo a sua opinião torta e desviada, pois todos nós sabemos que a bíblia é o antigo testamento do tempo de Moíses que antecedeu a chegada do Mestre Jesus .
Depois veio Jesus para nos ensinar e o antigo testamento foi apenas uma início, pois devido o povo da época ainda estar despreparado para as verdades espirituais, acabou recebendo o velho testamento que se for lido e estudado, veremos que contêm vários erros de interpretação em vários aspectos.
O Mestre Jesus trouxe o que ainda existia muita dúvida entre os povos, fazendo questão de levantar a bandeira da igualdade de sexo, raças, etc, exaltando a grande importância do papel da mulher como mãe e jamais falou que esta possuía alguma fase negativa, isso foi mais um erro de interpretação contido no antigo testamento, que as igrejas católicas ainda nos tempos de hoje se baseiam no antigo testamento, porém misturam com algumas coisas que o Mestre Jesus nos ensinou, misturando grande parte do velho testamento com o novo testamento de Jesus, transfigurando com isso, seus verdadeiros ensinamentos e é o que o autor Eduardo Parra esta fazendo, baseando-se em interpretações errôneas do velho testamento.
Quanto a ele falar das tribos de índios é mais um absurdo, pois eles ainda estão em fase de desenvolvimento mental, sendo ainda primitivos, andando em grande maioria nus, pintados, com alargadores labiais, etc, porém devido ainda não estarem aptos a assimilarem certos conhecimentos, são incapazes de participarem da civilização, pois aprendemos nas Obras dos Espíritos superiores, codificadas por Allan Kardec, que todos nós devemos evoluir gradativamente moralmente e intelectualmente até que nosso Espírito consiga reencarnar em mundos menos materiais que o planeta terra.
Cada reencarnação aprendemos algo diferente e é isso que ocorrerá com os índios, que aqui ainda ficarão presos a sua tribo, mantendo ainda as mesmas idéias primitivas, devido ainda estarem imaturos para enxergarem algo de diferente dos seus costumes tribais; por isso que continuam isolando a mulher, julgando que durante o ciclo elas estão em fase negativa. Para eles isso é uma verdade definitiva; agora eu pergunto será que o autor Eduardo Parra também acha que da mesma maneira que esse costume que eles seguem é uma confirmação de que de fato existe o ciclo negativo da mulher, será que ele também acha que é uma confirmação que todos também deveríamos andar nus, com os corpos pintados, com alargadores labiais, etc, pois os próprios índios seguem essa cultura e se eles seguem é porque esta certo.

Ana Lais disse...

parte4.
Cada coisa no seu devido lugar e os próprios índios não são preconceituosos, apenas estão ainda presos ao primitivismo mental, ficando impossibilitados de enxergarem algo mais, porém aprendem muito ainda nesse estágio, muitos tem quase o domínio de certos remédios medicinais, pois a natureza é o maior meio de desenvolvimento deles.
O autor Eduardo Parra possue falta de abertura mental para analisar as coisas, pois a sua mente orgulhosa pelo fato de ser do sexo masculino o impede de enxergar mais além, pois são suas idéias preconceituosas que o guiam.
Em todas as obras da codificação de Allan Kardec ele próprio nos aconselha a analisarmos tudo que ouvimos nas comunicações mediúnicas, passando tudo pelo crivo da razão, tudo deve ser analisado ao máximo, que dirá idéias preconceituosas, prepotentes de um determinado autor, médium, doutrinador, etc.
Só para terminar; Deus não construiu nada de negativo no mundo, as pessoas que sempre desviam tudo por sua própria conduta e vontade.
Nas obras da codificação de Allan Kardec, aprendemos que principalmente a mulher tem a nobre oportunidade de abrigar em seu ventre, seres que estavam no mundo espiritual, aguardando oportunidade de reencarnarem novamente através da gravidez nobre da mulher que é muito exaltada pelos bons Espíritos que dizem que sem a ajuda desta seria impossível concretizar a evolução espiritual de todos os encarnados.
O Próprio autor Eduardo Parra só recebeu a oportunidade de reencarnar graças a ajuda de sua mãe que também é uma mulher, que não possue fases negativas como ele diz, o seu organismo feminino foi constituído assim por obra de Deus, para poderer abrigar em seu ventre os filhos.
Desde quando um organismo feminino construído por Deus, pode ser negativo, quando esta está no ciclo menstrual. Isso é só uma fase que antecede o período fértil da mulher.
Agradeço pela oportunidade desse blog e mesmo sendo Espírita Kardecista concordo com a maioria dos textos dos vários autores e quando sentir necessidade comentarei novamente tudo o que esta contido nas obras dos Bons Espíritos.
Grata.
Lais.

AUREA OLIVEIRA disse...

ola,Lais
obrigada por sua participação no blog!!
fique a vontade sempre que quiser postar seu comentário,ok
faço o blog com muito carinho,para todos,e aprendo muito com tudo isso.
concordo plenamente com você, pois a reforma íntima é de vital inportancia no trabalho com a espiritualidade,sem isso o médium será sempre o mesmo,e precisamos evoluir cada vez mais e nos reformar a cada dia!

""Os bons Espíritos fazem questão de principalmente frizarem que o que é o fundamental é a moral do médium que o conduzirá.""

um grande abraço,luz,paz e muito axé a você!!!

MM disse...

Mentoxina foi inventada na idade media por "cientistas" que não sabiam explicar nada do que acontece com mulheres. é muito triste ver que ainda hoje, os homens repetem isso como papagaios, sem se aprofundar no conhecimento, apenas disseminando a mentira que a mulher expele "substancias malignas" atraves dos dedos... Se os homens parassem de repetir o que outros homens da idade media diziam e realmente estudassem, talvez o preconceito contra a mulher finalmente acabasse.