segunda-feira, 21 de julho de 2008

A COR LARANJA



O meio caminho entre o amarelo e o vermelho, o laranja é a mais angustiante das cores. Entre o ouro celeste e o vermelho ctônico, esta cor simboliza, antes de tudo, o ponto de equilíbrio entre o espírito e a libido. Agrega a luminosidade e alegria do amarelo com excitação e vibração do vermelho. Relaciona-se com o ardor e entusiasmo.
Ela é a cor das túnicas dos monges budistas e a cruz de veludo laranja dos Cavaleiros do Espírito Santo.
A energia dessa cor pode estimular o sangue e os processos circulatórios e influenciando as funções mentais e os sistemas respiratório e nervoso.
Segundo a tradição hindu, o laranja está ligado ao segundo chacra, um dos centros energéticos espalhados pelo corpo. Localizado entre o púbis e o umbigo, esse chacra, chamado sacro, rege os órgãos reprodutivos e a libido, e influencia todos os processos criativos. Em cromoterapia, técnica que usa luzes coloridas na cura, a gama dos alaranjados também é usada no tratamento de doenças do abdômen e dos órgãos reprodutores. "Ela ajuda a soltar as amarras que impedem a livre expressão da criatividade", diz o terapeuta Carlos Florêncio, de São Paulo, que sugere um exercício para estimular a capacidade criadora. "No local de trabalho, imagine-se envolto em uma luz laranja e procure se sentir estimulado por essa energia", ensina o especialista.
Na Idade Média, acreditava-se que o laranja simbolizasse crueldade, orgulho e ambição. Antes ainda, o próprio Buda cortou os cabelos e trocou as suntuosas vestimentas reais pela roupa alaranjada de mendigo. É por essa razão que os monges budistas usam até hoje túnicas laranja, simbolizando a renúncia.

Vamos agora mergulhar em mais uma cor quente, ao qual mostra toda sua força de ambientalização.
Com o laranja iremos trazer novamente o poder do estímulo e quentura. Ela é uma cor contagiante e quando usada em demasia poderá trazer irritabilidade devido a sua ardência.
A laranja é como todas as frutas de mumerosos carosos, é como um símbolo de fecundidade. No Vietnã, davam-se laranjas à todos os jovens casais. Na China antiga, provavelmente pela mesma razão, a oferenda de laranjas às moças significa um pedido de casamento.

A cor laranja é indicada para fortalecer as energias do lar. O dourado traz sorte e otimismo para os ambientes: uma sala decorada com quadros em tons alaranjados é um lugar agradável de ficar. As paredes pintadas de laranja ganham otimismo e leveza. Particularmente, as crianças se sentem muito bem quando se deparam com essa cor em seu dia-a-dia. Sua energia faz as pessoas se soltarem e se sentirem mais confortáveis.
Objetos de cor laranja estimulam a ambição, a vontade de vencer e despertam a cobiça nas pessoas. Paredes laranja tendem a atrapalhar os estudos ou o descanso, estudos indicam que ela pode deixar as pessoas do recinto eufóricas.
O meio caminho entre o amarelo e o vermelho, o laranja é a mais angustiante das cores. Entre o ouro celeste e o vermelho ctônico, esta cor simboliza antes de tudo o ponto de equilíbrio entre o espírito e a libido.
O Laranja é a cor da liberdade e independência, pode ter uma grande compatibilidade com sua cor complementar: o azul.
Quando a proximidade destas cores temos sensação de equilíbrio, unindo o calor laranja e o frio do azul.
Simbolicamente, o laranja, representa a prosperidade, a fatura de frutos e o Sol.
Agrega a luminosidade e alegria do amarelo com excitação e vibração do vermelho. Relaciona-se com o ardor e entusiasmo.
O laranja é o simbolo da energia. Na aura, um brilhante laranja-claro denota saúde e vitalidade; um laranja-escuro, orgulho; um laranja embaçado cor de lama, um intelecto fraco.
Um excesso de laranja na aura revela um abundância de força dinâmica vital.
Todo o equilíbrio que apresenta essa cor, tende a se romper, num sentido ou noutro, o alaranjado (como podemos chamar o laranja para que a mesma não seja associada a fruta) torna-se então a revelação do amor divino ou o emblema da luxúria.

Ela é a cor das túnicas dos monges budistas e a cruz de veludo laranja dos Cavaleiros do Espírito Santo.
O véu dos noivos é o emblema da perpetuidade do casamento e corresponde, no sentido profano, à auriflama (Bandeira,
estandarte, lábaro, pendão) do sagrado. O véu que Virgílio dá a Helena é açafroado.

As musas que aparecem em certas versões como filhas do céu e da terra e cuja importância nos cultos apolíneos é conhecida, também teriam vestes da cor do açafrão.
A pedra de Jacinto, de cor laranja, era considerada como um símbolo de fidelidade.
Essa cor constituía o emblema de uma das doze tribos de Israel sobre o peitoral do Grande Sacerdote de Jerusalém; voltamos a encontrá-la sobre a coroa dos Reis da Inglaterra, onde simboliza a temperança e a sobriedade do Rei. Passada no fogo, esta pedra se descolore, o que explica que se tenha visto triunfa sobre o ardor das paixões e as apaga.
O equilíbrio entre o espírito e a libido é algo tão difícil que o alaranjado se torna também a cor simbólica da infidelidade e da luxúria.
Segundo tradições que remontam ao culto da Terra-Mãe, era buscado na orgia ritual, que devia conduzir à revelação e à sublimação iniciatórias.

Diz-se que Dionisio usava vestimentas alaranjadas...
O laranja, é cor dominante do chacra do umbigo e está vinculado com os órgãos reprodutores femininos e com todas suas glândulas supra-renais. Ele tem a afinidade com a energia feminina, a energia da criação. E mais delicado do que a energia dinâmica e masculina do vermelho, mas e complementar deste.
O laranja reflete entusiasmo com vivacidade impulsiva e natural.
Essa cor traz as "bênçãos da vida" como a boa saúde, vitalidade, criatividade e alegria, assim como confiança, coragem, animação, espontaneidade e atitude positiva frente à vida.
Comunicação, movimento e iniciativa geralmente são os principais elementos da cor.
O efeito colateral da cor laranja pode incluir uma atitude autoritária ou esmagadora. Isso pode ser expresso como ostentação ou traço exibicionista.
As vibrações negativas do laranja estão associadas com descontentamento, melancolia e tristeza e, suas formas extremas são refletidas por perda da vitalidade, abatimento e destrutividade.

Pessoas que se irritam com facilidade ou pessoas estressadas, geralmente sustentam uma antipatia com o alaranjado.
A energia dessa cor pode estimular o sangue e os processos circulatórios e influenciando as funções mentais e os sistemas respiratório e nervoso.

O laranja e o azul devem ser trabalhadas em equilíbrio e harmonia.
O laranja e uma boa cor para ser usada nos casos de fadiga e de exaustão.
O laranja tem se mostrado benéfico em casos de bronquite crônica e com um tratamento regular pode ajudar a eliminar a formação de catarro e a tosse que acompanha essa moléstia.
O laranja tem um efeito antiespasmodico, devendo, portanto ser usado para espasmos e cólicas. No quarto do bebê, a exemplo do vermelho, deve ser utilizado com cautela.
Uma lâmpada laranja colocada no quarto de uma criança pode ser útil em casos onde existam as condições acima citadas.
Laranja, fogo, pôr do sol, luz, chama, calor, festa, perigo, força, luminosidade, dureza, euforia, energia, advertência e tentação. Essas são as relações materiais e afetivas desta cor quente, estimulante e angustiante.

Laranja, tangerina, damasco, nêspera... Frutas gostosas até de ver ainda no pé, radiantes e luminosas, simplesmente por causa da cor: o laranja, ou abóbora, como alguns preferem. Quente e intensa, a segunda cor do espectro solar é associada ao otimismo e à alegria de viver. "Ela irradia energia e vitalidade", afirma a psicoterapeuta Eliane Pedro dos Santos, de São Paulo. Como na casca das frutas, a mistura de vermelho e amarelo só faz bem: dá a sensação de bem-estar e disposição, estimula a comunicação e a sociabilidade, especialmente em pessoas introvertidas. "É aconselhável que crianças tímidas sejam estimuladas a usar lápis ou massa de modelar dessa cor", diz Eliane.
Segundo a tradição hindu, o laranja está ligado ao segundo chacra, um dos centros energéticos espalhados pelo corpo. Localizado entre o púbis e o umbigo, esse chacra, chamado sacro, rege os órgãos reprodutivos e a libido. Como um convite a desfrutar o sexo de forma alegre e prazerosa, os tons alaranjados são verdadeiros antídotos contra repressões ou inibições sexuais. Em cromoterapia, técnica que usa luzes coloridas na cura, a gama dos alaranjados também é usada no tratamento de doenças do abdômen e dos órgãos reprodutores. Todos os processos criativos se relacionam ao segundo chacra - desde a inspiração artística até a mais sublime forma de criação, a gestação de um bebê no útero - e, conseqüentemente, à cor. "Ela ajuda a soltar as amarras que impedem a livre expressão da criatividade", diz o terapeuta Carlos Florêncio, de São Paulo, que sugere um exercício para estimular a capacidade criadora. "No local de trabalho, imagine-se envolto em uma luz laranja e procure se sentir estimulado por essa energia", ensina o especialista.
Na Idade Média, acreditava-se que o laranja simbolizasse crueldade, orgulho e ambição. Antes ainda, o próprio Buda cortou os cabelos e trocou as suntuosas vestimentas reais pela roupa alaranjada de mendigo. É por essa razão que os monges budistas usam até hoje túnicas laranja, simbolizando a renúncia.
Injeção de ânimo
Em casa, o laranja aquece os ambientes, deixando-os mais acolhedores. E não importa se o espaço seja grande ou pequeno. "É uma cor muito alegre, nunca deixa uma sensação opressiva", diz a decoradora Nesa César, ela mesma uma entusiasmada fã dos tons alaranjados. Para atenuar a vibração, a decoradora sugere limitar a cor a apenas uma parede ou, então, pintar teto, portas e janelas de branco. "Usar roupas de cor laranja também tem um efeito estimulante contra depressão e desânimo", conclui a terapeuta Eliane dos Santos.

Nenhum comentário: